Páginas

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

< B-sides da Coleção > Especial Desenvolvimento de uma Coleção

(Exemplo de colagem inspiração da coleção; Wood Board:
Que traduz o espírito da coleção em imagens)


Depois de dar à vocês algumas ferramentas de desenho, é hora de arrumar todas as idéias antes de bolar uma coleção. Como começa tudo? O ponto zero de partida. O estudo e trabalho que vem ainda antes da criação dos desenhos.


Quando trabalhamos numa empresa, ou temos uma marca, para trabalhar com moda é preciso estar atento ao Espírito do tempo: Ser observador, saber o que está acontecendo no mundo hoje e o que possivelmente virá amanhã, o quadro político-econômico, quadro cultural, fazer monitoramento constante da mídia e de marcas importantes no mundo e aqui, ler muito, pesquisar, se inspirar, e se encher de informação.
Tudo isso é preciso quando se é um criador empreendedor.


1)Para começar, devemos observar Comportamento e consumo:
-Definir nosso público alvo. Para quem iremos criar.
- Definir o Estilo: A identidade da marca.
Note que tem marcas que criam, inclusive, uma outra marca dentro delas. Ex. Agilitá criou a Fabulous para um público mais jovem.



2) Acompanhar as tendências:
-Analisar de onde elas surgem.
-As tendências já vem nos tecidos a serem vendidos. Começa na tecelagem (Grupo de tecido na Europa passa o que será feito para Première Vision.
- Coolhunters como Faith PopCorn, fazem o trabalho quase que de sexto sentido muito clínico de adiantar tendências e comunicar. Um estudo todo social, antropológico, cultural, enfim.
- Algumas editoras de moda já lançam editoriais e criticas já antecedendo o que virá.


3) Pesquisas e mais pesquisas:
-Pesquisas de comportamento nos bureaus de estilo como: WGSN/ PROMOSTYL
-Observar estilistas do momento.
-Pesquisas tecnológicas em Feiras/Beneficiamentos/ Tecelagens/ Atelier e Cooperativas
para conhecer matérias primas
-Pesquisa de mercado: Para conhecer a concorrência
-Pesquisa do tema: Inspirações para o tema: Podem surgir de viagens, filmes, imagens, sonhos etc. Porém ele deve ser sempre adequado à tendência do agora: Para que seja vendável.
Muitas empresas tem sua coleção definida a partir de um woodboard: Espécie de colagem e apanhado de imagens que define e possui o espírito da coleção traduzido em imagens.
Podem haver subtemas na coleção, que naturalmente indicarão famílias dentro dela.


4)Desenvolvimento criativo da coleção:
Uma vez definido o tema, temos que focar no seguinte:
-A coleção deve ter uma coerência.
-Deve acontecer uma coordenação de cores (na cartela de cores deve haver 8 no máximo)
- Elementos de ligação numa coleção: Grupos de produtos, chamados de famílias - onde eles devem ter algum elemento em comum, um dna, seja de cor, estampa, modelagem etc.

5)Mix de produtos:
Ocasião de consumo:
Divisão por peças de roupas: Tops/ Inteiros/ Bottons (calças/peças da partes de baixo da cintura)/ Acessórios etc.
Divisão por ocasião: Noite/ Dia/ Básicos/Fashion tendência/ Vanguarda/ Festa


6) Coordenação da coleção:
Na equipe de Estilo, geralmente haverá um coordenador que definirá a metodologia desta coleção, a disciplina, a arrumação desta coleção por famílias, dará os prazos para cada etapa da coleção: O cronograma.


7) Confecção das peças e andamento do trabalho:


O estilo com suas peças criadas, manda os desenhos para as costureiras da fábrica (fábrica própria da empresa, facções de costureiras, confecções e forncedores externos) para que elas "esbocem" a peça = Façam a peça piloto: Essa peça piloto poderá ser ajustada e refeita várias vezes até que se chegue no desejado, para que ela esteja pronta pra ser vendida na loja e para que o pedido possa ser efetuado. É nessa fase que testa-se o caimento do tecido para a modelagem da peça escolhida, teste de variação dimensional de tamanhos, eventuais tingimentos etc.
Paralelo a peças criadas originais, muitas empresas trabalham também comprando de fornecedores que já oferecem a peça pronta, mas que pode ser modificada para ficar com a cara da coleção= Daí também teremos a peça piloto, pois se ela será modificada, as compradoras e estilistas devem aprovar até que se chegue no desejado. Na hora da compra é preciso comprar certo, para vender certo. Os produtos devem ser coerentes com a coleção, com o público alvo e com a identidade/estilo da marca.

8) Fechamento do trabalho:
Enquanto todo mundo da equipe está trabalhando em seus setores, quando a coleção toma um rumo já definido, quanto a todas as etapas anteriores, o ideal é fechar a coleção, a equipe toda se reune, para que não aconteça de a todo momento novas idéias, novas compras de produtos fiquem surgindo.
A coleção deve estar toda amarradinha no contexto e ao mesmo tempo bem rica de opções e mixes de produtos em harmonia entre si.
Claro que ao longo da coleção fechada, indo pra loja e até com ela toda na loja já sendo vendida, novos produtos podem surgir, até com restos de tecidos que ficaram parados ou reaproveitamento para gerar mais vendas.





Um comentário:

  1. Muito legal o Post Raquel! Mas eu queria o contato da Maria Filó! Você não colocou! ^^

    Beijinhos

    ResponderExcluir